Pesquisar no Blog

AS APARIÇÕES DE JACAREÍ-SP-BRASIL SAIBA MAIS! @Marcostaddeu Informe-se pelo TEL: (0XX12) 9 9701-2427 e-mail: santuariodejacarei@gmail.com BLOG OFICIAL

12 de out de 2013

12 de outubro - Dia de Nossa Senhora Aparecida Mãe, Rainha e Padroeira do Brasil


JACAREÍ, 12 DE OUTUBRO DE 2010

FESTA DA IMACULADA CONCEIÇÃO APARECIDA

MENSAGENS DE NOSSA SENHORA E SÃO JOAQUIM DO MONTE CARMELO

NOSSA SENHORA

"-Amados filhos, Eu Sou a IMACULADA CONCEIÇÃO. Eu Sou a SENHORA APARECIDA nas águas do Rio Paraíba. Sou a vossa Mãe. Sou aquela que intercede por vós diante do Trono do Rei do universo, tal como a Rainha Esther intercedeu pelo povo do Senhor diante do Rei Assuero.

Meus filhos, Eu a Mãe de vocês chamo-vos ao amor, chamo-vos à paz, chamo-vos à graça, chamo-vos à conversão, chamo-vos à oração, à oração sincera que agrada ao Senhor e que vos faz cada vez mais aproximar-vos Dele. Somente pela oração vós podeis compreender o plano do Senhor ao vosso respeito. Somente pela oração vós podeis deter não somente o mal no mundo e na sociedade, mas também na vossa própria vida e na vossa própria família. Somente com a oração podeis deter os planos que Satanás coloca em andamento no mundo. Somente com a oração vós podeis fazer com que a verdade da Palavra de Deus e dos princípios cristãos triunfem sobre as doutrinas e as idéias anticristãs, contrárias a fé cristã, que agora disseminaram no meio do vosso povo brasileiro e no meio do mundo.

Vós, Meus filhos, somente com a oração, com a vossa palavra, com o vosso testemunho, somente com o anúncio contínuo da verdade, da Palavra do Senhor e das Minhas Mensagens, vós podereis arrancar tantas almas das trevas do pecado para fazê-las voltarem à fidelidade, à Palavra e aos Mandamentos do Senhor. Somente com a oração e com o vosso testemunho fiel podeis trazer tantos filhos Meus que se afastaram do Meu Coração e da verdade de volta a Mim. E somente com o vosso testemunho fiel e a vossa oração, podeis arrancar tantos filhos Meus das trevas do erro e do engano onde elas, onde eles se encontram.

Meus filhinhos, Eu estou convosco! Eu vos amo! Eu nunca vos abandono! Estou sempre perto de vós. Conheço todos os vossos sofrimentos, nos momentos difíceis sabei que estou mais perto de vós do que nunca. Eu derramo a doçura do Meu amor materno nas vossas feridas espirituais, da vossa alma e até mesmo no vosso corpo, para dar-vos alívio, paz, conforto e para reanimar-vos a seguir em frente sempre, a nunca desanimar. Porque aqueles que hoje semeiam entre lágrimas, aqueles que lutam pelo Senhor, pelo triunfo da verdade, do bem e da Lei do Senhor entre lágrimas um dia em breve colherão feixes e mais feixes entre sorrisos e cânticos de alegria.

Eu estou convosco Meus filhos e a cada Rosário que rezais, Eu vos amo mais e mais.

A todos neste momento abençôo e especialmente a vossa nação, da qual Sou a Rainha e a protetora. Neste momento generosamente vos dou a paz.”


SÃO JOAQUIM DO MONTE CARMELO

"-Amados irmãos! Eu, JOAQUIM DO MONTE CARMELO, servo da Senhora IMACULADA CONCEIÇÃO a APARECIDA nas águas. Eu, o construtor da Basílica velha da Senhora Aparecida, vos abençôo hoje e vos trago a paz.

Digo-vos, assim com Eu fiz para a Senhora, para a Rainha do Céu uma casa na Terra, a Basílica velha... vós deveis fazer para Ela uma Basílica, uma casa, uma morada e um trono no vosso coração. Fazei uma morada para a Virgem Santíssima em vosso coração, amando-A, servindo-A, obedecendo-A, obedecendo as Mensagens Dela, rezando o sacratíssimo Rosário todos os dias com amor, piedade e devoção. E, sobretudo, vivendo uma vida contínua de união com Ela, conformando os vossos desejos e os vossos sentimentos aos os Dela e fazendo sempre mais a vontade Dela no lugar da vossa. Fazei uma morada para a Santíssima Virgem no vosso coração, dando a Ela o vosso SIM todos os dias a tudo o que Ela vos pede, a tudo o que Ela vos inspira na oração. Fazei o bem que Ela vos inspira, segui as boas idéias que Ela vos dá, não reprimais o sopro do Espírito Santo que Ela vos envia para que procureis sempre mais fazer aquilo que dá maior glória a Deus, faz maior bem as almas, faz triunfar a Lei de Deus e a Sua Justiça.

Fazei uma morada para a Mãe de Deus em vossos corações, procurando sempre mais levar aos outros as Mensagens Dela, os pedidos Dela, levar o amor desta Mãe a todos os corações, para que assim esses outros tantos corações também se tornem outras tantas basílicas, outros tantos tronos, outras tantas moradas para Ela.

Fazei uma morada para a Mãe de Deus, procurando a cada dia mais expandir o Reino Dela na Terra, ou seja, conquistar sempre mais corações e almas para que Ela possa reinar neles, para que Ela possa viver neles, para que Ela possa fazer Cristo, a graça divina, a verdadeira vida em Deus nascer e crescer neles até a plenitude. Desta forma, vós transformareis não somente a vossa vida, mas a vida de tantas milhares de almas em outras tantas basílicas, em outras tantas moradas da Mãe de Deus na Terra e verdadeiramente transformareis o mundo num grande e imenso santuário, onde a Mãe de Deus reinará, onde a Mãe de Deus dará a paz e a felicidade a todos os Seus filhos.

Segui o Meu exemplo e fazei em vossos corações uma morada digna para a Mãe de Deus. Não desanimeis nas dificuldades que aparecerem no meio do caminho para vos impedirem de conseguir fazer isto, porque Eu não desanimei diante das dificuldades que tentavam impedir-Me de fazer a Basílica Velha para a Minha Senhora, mas com a Fé, com a Perseverança enfrentando os maus e os contrários àquilo que Eu queria fazer, Eu venci, Eu triunfei. Vós também, lutai! Lutai pela Senhora! Lutai por essa santa causa! Lutai para fazer de todos os corações um santuário, uma casa, uma basílica para Ela. Lutai para transformar o mundo num imenso santuário Dela, onde Ela reina, onde Ela finalmente pode ter todos os Seus filhos com Ela unidos ao Seu Coração e muito bem presos ao Seu Coração Imaculado. Desta forma, vós ajudareis verdadeiramente, o Reino de Deus a vir para este mundo, o Reino de Maria a vir para este mundo.

Eu estou convosco e Eu sempre vos ajudarei. Neste Lugar, onde a Mãe de Deus vos pediu que uma Capela fosse feita para Ela, neste Lugar onde Ela quer também fazer o Seu Trono de graças, para junto com o Trono Dela, onde Ela surgiu das águas poder espalhar as Suas graças de amor aos Seus filhos, aqui nesse lugar que é a realização plena da Sua manifestação no Brasil, manifestação que começou em Aparecida e deve terminar aqui, onde Ela fala aos Seus filhos, onde Ela manifesta com palavras o que deseja de Seus filhos. Aqui Eu estarei sempre presente para abençoar-vos, para ajudar-vos, para auxiliar-vos a serdes sempre fiéis à Rainha do Céu, à Virgem Imaculada, à Virgem da Paz.

A todos neste momento, abençôo com a Mãe de Deus e Nossa.”

***********************************
EM VISITA RECENTE DE PEREGRINOS AO SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA APARECIDA, POR SUA IMENSA BONDADE, NOSSA SENHORA CONCEDEU OS MESMOS SINAIS QUE SÃO CONCEDIDOS EM SEU SANTUÁRIO EM JACAREÍ!!
************************************

A Senhora Aparecida Mãe Rainha e Padroeira do Brasil



Os primeiros habitantes do vasto vale do Paraíba, entre a Serra do Mar e a Serra da Mantiqueira, vale banhado pelo famoso rio Paraíba do Sul, eram, sem dúvida, os Tamoios, pertencentes a grande família Tupi.

Os nomes mesmos da cidade que pelo vale surgiram - Mogi ou Rio das Cobras, Jacareí, ou Rio dos Jacarés, Caçapava, ou Clareira na Mata, Taubaté, ou Aldeia Grande - os nomes mesmos bem estão a indicar que os primeiros povoadores do vale foram os índios.

Mais de duzentos anos depois da descoberta do Brasil, as viagens entre São Paulo de Piratininga e São Sebastião do Rio de Janeiro, bem como as idas e vindas que viajantes, mascates e mercadores empreendiam daquelas cidades a Minas, eram viagens que se faziam de modo irregularíssimo, penosas e grandemente demoradas.

Em Outubro de 1717, foi encontrada a prodigiosa Imagem de Maria nas águas do rio Paraíba. 

O achado, é fato histórico, prendeu-se a uma viagem, a viagem que fazia Dom Pedro de Almeida, Conde de Assumar, Governador e Capitão-General de São Paulo e Minas Gerais, a Minas.

Narra desta maneira o Guia dos Romeiros o sucesso:

O sítio, onde hoje se ergue a Basílica de Nossa Senhora, distante de Guaratinguetá (ou Garças) alguns quilômetros, chamava-se simplesmente Morro dos Coqueiros. Havia por ali pouquíssimos moradores, dentre os quais podemos nomear Domingos Martins Garcia, João Alves e Filipe Pedroso, os afortunados pescadores que encontraram a prodigiosa imagem.

O fato deu-se do modo seguinte: 

Em outubro de 1717, por ali tinha de passar, de São Paulo para Minas Gerais, Dom Pedro de Almeida, conde de Assumar, nomeado pela Corte Governador dessas Províncias. Sabendo que o ilustre hóspede e sua comitiva se deliciariam com uma mesa bem servida de saborosos peixes, a Câmara de Guaratinguetá ordenou aos pescadores da redondeza que saíssem a pescar e trouxessem todo o peixe que conseguissem apanhar.

 
Os três pescadores principiaram a lançar suas redes no porto de José Correia Leite, continuando até o porto de Itaguaçu, bem distante, sem tirar peixe algum. 

Foi quando João Alves aí lançou sua rede e "tirou o corpo da Senhora, sem a cabeça; lançando mais abaixo outra vez a rede, tirou a cabeça da mesma Senhora."

João Alves, homem, sem dúvida, religioso, envolveu-a respeitosamente num pano, depositou-a na sua canoa e continuou a lançar a rede. Daquele momento em diante, a pesca foi de tal modo abundante, que ele e os companheiros receosos de naufragar, devido à enorme quantidade de peixes, retiraram-se para suas casas, narrando a todos, cheios de espanto, o que lhes acontecera.

Filipe Pedroso, ao que parece, o mais afeiçoado à pequena Imagem, conservou-a em sua casa durante uns quinze anos. Indo, mais tarde, morar no Itaguaçu, deu a Imagem a seu filho Atanásio Pedroso, o qual lhe fez um altarzinho ou oratório de madeira, onde a colocou. Era ali, todos os sábados, reuniam-se os vizinhos "para cantar o terço e mais devoções". Foi também ali que se deu o prodígio, várias vezes repetido, das velas que se apagavam e, sem intervenção de ninguém, de novo se acendiam.

No lugar histórico, onde apareceu milagrosamente a Imagem de Nossa Senhora Aparecida, foi, mais tarde, erigida uma Cruz comemorativa e, num ponto pouco mais elevado, uma Capela, em cujas paredes externas se liam os nomes dos três felizes pescadores que encontraram a Imagem da Imaculada, hoje venerada como Padroeira do Brasil.

 
Passados alguns anos, como era grande o concurso das gentes, tornou-se imperiosa a construção duma igreja. A capela, visitadíssima, não mais comportava as multidões que vinham visitar a Virgem.

Era então vigário de Guaratinguetá o Padre José Alves de Vilela, que dirigiu um requerimento ao bispo do Rio de Janeiro, Dom Frei João da Cruz, no qual solicitava licença para erguer uma igreja sob a invocação de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Era em 1743, e aos 5 de maio daquele mesmo ano, a licença era concedida.

O local escolhido, diz o Guia já citado, para a construção da igreja dói o Morro dos Coqueiros. Com prazer os proprietários fizeram a doação do terreno necessário para o patrimônio e, em 1744, foram iniciadas as obras com tão grande animação que, aos 26 de Julho de 1745, festa de Sant' Ana, o vigário Padre José Alves de Vilela pode benzer a igreja, e inaugurá-la, celebrada a Santa Missa.

Conforme o costume daquele tempo, apenas construída a igreja, constituiu-se uma irmandade leiga para zelar por ela. O bispo de São Paulo, Dom Frei Antônio da Madre de Deus, aprovou o compromisso dessa Irmandade aos 25 de Maio de 1756. Durante quase cem anos, não se fizeram na igreja melhoramentos de vulto.

Em Março do ano de 1842, foi Aparecida elevada à freguesia, pela Assembléia Legislativa de São Paulo, mas, como não se encontraram no lugar pessoas competentes para os cargos de juiz de paz, escrivão, etc, e em Março de 1844, a mesma Assembléia, por nova lei, suprimiu a freguesia.

 
Durante cem anos, serviu de cemitério o pátio da igreja; em 1843, porém, resolveu-se localizar o cemitério atrás da igreja, no terreno onde hoje se acha a Casa de Noviciado São Carlos. Naquele tempo, não havia por ali habitações, a não ser o casarão para romeiros, e a menos de cinqüenta metros começava a capoeira. Ruas, não as havia, mas somente alguns caminhos mal conservados em direção à capela de Santa Rita.

A igreja, todavia, não era de construção sólida, não fora levantada, como muitas, para desafiar os tempos, de modo que, em menos dum século, as torres e o frontispício ameaçavam ruir.

Ficou assim resolvido que haviam de construir de novo as torres e o frontispício. Iniciados os trabalhos em Julho de 1843, por morosidade, em virtude de falta de recursos e materiais, as duas torres foram concluídas, uma no ano de 1846 e a outra em 1848.

No ano de 1877, chegava a Aparecida Frei Joaquim do Monte Carmelo, nascido na Bahia.

Em Janeiro do ano seguinte, apresentou Frei Joaquim à Mesa Administrativa uma proposta de construção do corpo da igreja. A planta, examinada pela Mesa, foi aceita e, assim aprovada a proposta.

As obras foram iniciadas quase que imediatamente e, pelo fim do ano o padre construtor demonstrou que era imprescindível construir também a Capela-mor com suas dependências. A Mesa concordou. A construção foi concluída em fevereiro de 1888. As despesas elevaram-se a cento e noventa e cinco conto de réis.

 
No dia 8 de Dezembro de 1888, Dom Lino Deodato de Carvalho, bispo de São Paulo benzeu e inaugurou solenemente a atual igreja de Nossa Senhora Aparecida. 

Frei Joaquim do Monte Carmelo, terminadas as obras da igreja, regressou ao seu mosteiro na Bahia.

Mais tarde, ou seja, em 1893, Dom Lino concedeu ao Curato o título de Episcopal Santuário de Nossa Senhora da Conceição Aparecida. 

Em novembro, no dia 18 do mesmo ano, foi nomeado capelão o Padre Claro Monteiro do Amaral. Tendo tomado posse aos 23 daquele mês, permaneceu no Curato até 1895. 

E o Santuário, em virtude das graças e favores que os fiéis, constantemente, alcançavam, ia-se tornando mais conhecido, pois, mais procurado. 

Desta maneira, como não houvesse sacerdotes que cuidassem do bem espiritual dos romeiros, o bispo de São Paulo, Dom Lino, amoroso, filho da Senhora Aparecida, desejando para o serviço religioso do Santuário um número mais elevado de padres, teve a idéia de ali formar uma comunidade de religiosos missionários.

Naquele tempo, era bispo coadjutor de São Paulo, Dom Joaquim Arcoverde de Albuquerque Cavalcanti. Em 1894, quando duma viagem a Roma, de Dom Lino recebeu a incumbência de obter uma comunidade de verdadeiros missionários para Aparecida. O bispo-coadjutor, vencendo todas as barreiras, acabou por conseguir que o Superior-Geral dos Redentoristas aceitasse a nova fundação.

A 28 de Outubro do mesmo 1894, chegavam os primeiros Redentoristas. O bom bispo Dom Lino Deodato não pode ver aqueles que iriam, pro primeiro, reger o Santuário.

Assim, o último capelão secular de Aparecida foi o já citado Padre Claro Monteiro do Amaral. O primeiro, capelão-cura redentorista foi o Padre Wendel, que exerceu as funções durante dez meses, tendo como sucessor o Padre Gebardo Wiggermann, que foi nomeado Superior da comunidade religiosa e Visitador. E Aparecida, a pouco e pouco, ia-se transformando, tornando-se, tanto para os moradores do lugar, como para os romeiros, um centro excepcional de piedade e reflorescimento espiritual.


 
De 1817 a 1894, a devoção a Nossa Senhora Aparecida transpusera, mais ou menos, as fronteiras paulistas. 

Com a chegada dos redentoristas, porém, grande impulso material, principalmente espiritual, entrou a engrandecer a cidadezinha. É que as notícias do lugar, antes levadas por este ou aquele que vinha visitar Nossa Senhora, eram agora propagadas pelo jornal Maria - o Santuário de Aparecida - fundado em 1900.

Em 1895, no livro do Tombo, houve em Aparecida cerca de três mil comunhões. Oito anos mais tarde, ou seja, em 1903, aquele número elevou-se para dezesseis mil. Com as viagens cada vez mais fáceis, não havia quem não desejasse visitar a Senhora. E os atos religiosos mais regulares e atraentes e as maiores comodidades que os romeiros podiam desfrutar, iam concorrendo admiravelmente para que as gentes de São Paulo e de outros Estados fossem levadas às visitas e ao cumprimento de promessas, promessas que, ates, iam-se contemporizando, o que não convinha.

Em 1904, surgiu o Manual do Devoto de Nossa Senhora Aparecida, grande devocionário que os Redentoristas publicaram carinhosamente.

As grandes romarias tiveram começo em 1900. Dom Alvarenga, bispo de São Paulo, no dia 8 de Setembro. Compareceu em Aparecida com mil e duzentos peregrinos. Doutra feita, de Guaratinguetá, foram visitar o Santuário perto de cinco mil pessoas. 

Dom Joaquim Arcoverde, deixando o Rio de Janeiro com mil romeiros, pessoas da alta sociedade, chegou alegremente em Aparecida a 16 de Dezembro de1900.

 
Desde então, as romarias tornaram-se freqüentes e quase ininterruptas. 

Várias cidades dos Estados de São Paulo e Minas Gerais organizam romarias a Aparecida todos os anos. 

Na Capital bandeirante há igrejas matrizes que, reunindo anualmente os paroquianos, dirigem-se ao Santuário em visita a Maria.

Atualmente é comum encontrar-se na cidade ladeirenta, à antiga, de Aparecida, romeiros vindos dos pontos mais distantes do país, tais como o Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Bahia e outros Estados, em caminhões, de trem, de automóvel, nas antiguíssimas, desconfortáveis e sacolejantes jardineiras, que ainda as há por este Brasil afora, e em grande quantidade. Que sacrifícios não fazem os devotos de Nossa Senhora Aparecida, para chegar a lugar tão privilegiado!

A solene coração da Imagem de Nossa Senhora Aparecida, em 1904, é um desses acontecimentos.

Em 1903, os senhores Bispos pediram ao Santo Padre Pio X a faculdade de coroar solenemente a Imagem milagrosa de Nossa Senhora Aparecida, comemorando o qüinquagésimo aniversário da definição dogmática da Imaculada Conceição. A faculdade foi concedida e a solenidade foi marcada para 8 de setembro de 1904.

Naquele dia, que foi um dos mais notáveis para Aparecida, achavam-se presentes o Núncio Apostólico, o Arcebispo do Rio de Janeiro, onze bispos, um representante do Presidente da República, muitos dignatários, sacerdotes, religiosos e enorme multidão de povo. 

O Senhor Núncio celebrou a Missa Pontifical. Dom João Braga fez o sermão e rezou com o povo o ato de consagração. 

Dom José de Camargo Barros benzeu a coroa, e entoou o Regina Caeli e depositou a coroa sobre a fronte da veneranda Imagem.

Aparecida, então, estava engalanada. De todas as casas, dos antigos casarões, dos quais ainda existem vários, flutuavam bandeiras, sobressaiam-se bouquets maravilhosos, e dos balcões dos velhos sobradões do tempo do império, pendiam adamascados magníficos. E as ruas todas, enfeitadas, eram uma festa para os olhos.

Foi cantado o Te Deum. Inaugurou-se o belíssimo monumento da Imaculada, erguido na praça do Santuário.

À tarde, saiu soleníssima procissão com assistência do Senhor Núncio Apostólico e de todos os bispos, sendo a imagem carregada por monsenhores e cônegos. À entrada da procissão, fez eloqüente oração Dom João B. Correia Nery, então bispo de Pouso Alegre.

O dia 8 de Dezembro, aniversário da Coroação, vem sendo celebrado todos os anos com grande pompa e numeroso concurso de fiéis.

A 29 de abril de 1908, o Santo Padre Pio X, agora elevado à honra dos altares, concedeu ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida, o título e a dignidade de Basílica. 

Em Setembro de 1929, vigésimo-quinto aniversário da Coroação de Imagem milagrosa, celebrou-se em Aparecida um Congresso Mariano, ao qual assistiam vinte e cinco arcebispos e bispos e avultado número de sacerdotes do clero secular e regular. Nas sessões e manifestações públicas, foi sempre externado o desejo unânime de que Nossa Senhora Aparecida fosse declarada Padroeira de todo o Brasil.

Brevemente ia concretizar-se aquele desejo do povo brasileiro, e a alegria dos habitantes desta terra de Santa Cruz ia ser imensa.

O episcopado, ensina-nos o utilíssimo Guia do Doutor Assis Moura, apresentou, pois, ao Santo Padre Pio XI esse pedido, sendo o mesmo acolhido com muito agrado. No dia 16 de Julho de 1930, o grande Pio XI assinou o decreto pontifício que declarou e proclamou Nossa Senhora da Conceição Aparecida, Padroeira da Nação Brasileira.


********************************************
Blog Oficial das Aparições de Jacareí

DEFESA ÀS APARIÇÕES DE JACAREÍ

DEFESA ÀS APARIÇÕES DE JACAREÍ

(FEITA POR UM PEREGRINO, AO CONTEMPLAR UM VÍDEO FALANDO MAL DAS MESMAS CITADAS ACIMA, E SOBRE A CARTINHA DO BISPO DA ÉPOCA, ALEGANDO QUE AS APARIÇÕES NÃO ERAM VERDADEIRAS)

NÃO SEI QUEM FEZ MAS PRA MIM ESSA PESSOA MERECIA UMA MEDALHA DE HONRA DE NOSSA SENHORA POR ESTA BELA DEFESA

"Quando você diz que devemos dar ouvidos ao que os padres dizem a respeito das aparições de Jacareí, corre em um ledo engano, pois, a “opinião pessoal” deles é que não pode ser elevado ao nível de “dogma de fé”. As cartas de Dom Nelson são muito citadas pelos que latem que estas Sagradas Aparições são falsas. Portanto, mister se faz alguns esclarecimentos. Há duas cartas oficiais onde este indigitado bispo trata da matéria “aparições”. Uma primeira, publicada em 1996, enquanto o mesmo ainda era bispo de São José dos Campos (diocese a qual pertence Jacareí). Nesta, não há menção alguma ao nome do Profeta Marcos Tadeu Teixeira, muito menos, excomunhão, há somente algumas orientações pastorais. A segunda, publicada em 2007 e republicada em 2011, realmente traz explicitamente o nome do Profeta Marcos Tadeu Teixeira, porém, nesta, a palavra “excomunhão” é sequer mencionada.

Ainda há um probleminha com esta segunda carta. O dito bispo (certamente pela providência de Nossa Senhora) foi transferido para a diocese de Santo André/SP em 2003, e, observem, a segunda carta publicada por ele ocorreu no ano de 2007, quando já havia deixado de ter jurisdição eclesiástica sobre a cidade de Jacareí. Portanto, o mesmo, ao editar esta carta, violou a jurisdição eclesiástica conferida a ele pela Igreja, e, ainda, violentou gravemente a autoridade de Dom Moacir, então, bispo da Diocese de São José dos Campos, que, se quisesse, poderia ter criado o maior caso com isso, pois Dom Nelson desrespeitou frontalmente e atropelou sua autoridade eclesiástica, uma verdadeira afronta. Então eu lhes pergunto, vocês ainda vão dar credibilidade a um documento irregular e eivado de vícios como esse?

Vale lembrar, que não é obrigatório seguir estas cartas circulares dos bispos. Não há heresia nem cisma nisso. Um católico somente pode ser acusado de cismático ou herege se atentar contra os Dogmas de Fé. Que eu saiba, carta circular de bispo não é Dogma de Fé. Como a primeira carta de Dom Nelson não condena as Aparições de Jacareí, e a segunda está irregular, pode-se dizer que não pesa condenação oficial e regular da Igreja sobre estas Santas Aparições. Além do mais, até o presente momento, Dom José Valmor, que atualmente tem jurisdição eclesiástica sobre Jacareí, não fez pronunciamento oficial sobre as mesmas. Documento oficial onde o Profeta Marcos foi excomungado, também é inexistente, portanto, qualquer informação que diga o contrário é fruto de pura “fofoca”.

Ressalto que em Jacareí, realmente, não damos tanta importância aos documentos do Vaticano. O que nós realmente valorizamos é a doutrina que nos foi transmitida pelos santos, como Santo Afonso, São Luiz, Santa Teresa, São João da Cruz, etc... Outro adendo que gostaria de acrescentar, diz respeito ao fato da obrigatoriedade ou não das Sagradas Mensagens Celestiais. A orientação predominante entre os teólogos católicos, de que não é obrigatório seguir as Aparições de Nossa Senhora, se funda em meras opiniões pessoais de alguns clérigos a respeito do assunto. Esta orientação não tem o caráter da infalibilidade papal e muito menos é um Dogma de Fé. Realmente, o catecismo atual traz algo nesse sentido, mas vale lembrar que o mesmo não recebeu o caráter da infalibilidade pelo Concílio Vaticano II. Bem ao contrário do Santo Catecismo do Concílio de Trento. Este sim, recebeu o caráter de infalível. Ocorre que nossa amada Igreja há muito se transviou de uma tradição bíblica milenar, através da qual o “Deus dos Exércitos” sempre manifestou sua vontade ao povo de Israel por meio de suas aparições aos profetas (mesmo fenômeno que ocorre com o, também, profeta Marcos Tadeu, pois os fenômenos miraculosos e de aparições que ocorrem naquele Santuário, são da mesma espécie dos verificados na Sagrada Bíblia).

Ora, nos tempos bíblicos não era através dos fariseus, saduceus, príncipes e doutores da lei (a Igreja oficial da época) que Deus dava as suas diretrizes ao povo eleito, mas sim, através dos profetas, em outras palavras, dos videntes. Nos primórdios do cristianismo, também ocorria assim, pois, a própria origem da nossa amada Igreja se funda nas “aparições” de Jesus aos apóstolos e discípulos. Então, por que esta tradição bíblica foi quebra? Será que é porque as aparições aos profetas cessaram? Errado, pois nos últimos 100 anos ocorreram mais de 1000 aparições de Nossa Senhora, dos santos e anjos, e até de Deus.
A pergunta correta é, por que o clero tenta abafar isso, pois grande parte, senão todas, destas aparições também foram acompanhadas de sinais miraculosos, como, curas inexplicáveis pela ciência, sinais na natureza, etc... Se Deus usava deste expediente nos tempos bíblicos, certamente deveria continuar a usá-lo nos tempos do catolicismo, pois uma grande verdade que a Teologia professa é que Deus é imutável. Não citarei as passagens bíblicas onde Deus manifesta sua vontade através dos videntes/profetas, pois se assim fizesse, teria que citar a Bíblia inteira, pois a própria formação e ensinamentos nela transmitidos se dão por este meio. Gostaria apenas de citar um pequeno exemplo de qual atitude deveremos tomar frente às Aparições de Jacareí, tomando por base a Bíblia. Saulo, quando se dirigia à cidade de Damasco e Jesus lhe “aparece” exclama: “Senhor, que queres que eu faça?” (At 9, 6). Naquela ocasião, Jesus disse a ele para procurar os fariseus e saduceus (a Igreja oficial da época)? Não! O ordenou que entrasse na cidade de Damasco e ali lhe seria dito o que deveria fazer. Beleza. E quem Deus enviou para Saulo? Os fariseus e saduceus (a Igreja oficial da época)? Não! Mas Ananias, um vidente. Como eu sei que Ananias era um vidente? As Sagradas Escrituras nos contam que foi uma aparição de Jesus que disse para ele ir procurar Saulo. É só conferir At 9, 10-16ss.

Outro exemplo foi Judas Iscariotes; este preferiu errar com a Igreja oficial da época (lembra né, fariseus e saduceus) que acertar sem ela. Bom... Errou mesmo! E segundo alguns santos místicos, como Maria de Ágreda, sua alma se encontra no inferno. Assim, a posição teológica defendida pela maioria dos teólogos atuais, de que as aparições não são obrigatórias, falando em termos de estudo teológico da atualidade, é perfeitamente passível de questionamento, e, inclusive, daria uma boa tese de doutoramento. É um posicionamento que pode ser mudado. Não é Dogma de Fé. Gostaria de finalizar este ponto dizendo o seguinte. Jesus tolerou para sempre aquela Igreja oficial da época (o judaísmo) que rejeitou o projeto que suas aparições aos Apóstolos (que também eram videntes) propunha? Claro que não!!! Por causa disso, Deus se retirou do meio daquela Igreja e passou a habitar no meio dos seus videntes, os apóstolos e discípulos, e, assim, surgiu a nossa amada Igreja Católica (Mt 21, 39-45).

Não é objetivo do Profeta Marcos Tadeu, nem de sua Ordem e muito menos de nós, a Milícia da Paz (formada por todos os fiéis seguidores daquele Santuário) provocar um cisma na Igreja. Nós apenas denunciamos os erros (prerrogativa esta, conferida aos leigos pelo próprio Concílio Vaticano II), lutamos para que a devoção a Nossa Senhora, aos santos e anjos seja colocada em seu devido lugar, e que as suas mensagens, e as dos demais santos, e até as de Deus, seja acolhida como nos tempos Bíblicos, pois acreditamos que se isto não for feito, irá se abater gigantescos cataclismos sobre a Terra, de uma tal magnitude que nunca houve, nem jamais haverá. Acreditamos que esta “palavra de Deus” transmitida nas aparições é o caminho e a única forma de salvar o mundo, e qualquer obra, ou pessoa, que ensine ou faça diferente do que elas dizem, é desprezada por nós. O motivo para isto é muito simples. Desde tempos remotos, as Aparições de Nossa Senhora (inclusive as não aprovadas pela Igreja) vêm dizendo o que aconteceria ao mundo se esta “palavra de Deus” não fosse obedecida. Resultado, tudo o que elas disseram, em um passado remoto, está se cumprindo na atualidade. Então, não há outra conclusão a se fazer, a não ser admitir que elas eram verdadeiras, e que o clero errou. Aliás, o histórico de erro do clero é algo realmente interessante. Basta citar a condenação que pesou durante 20 anos sobre as Santas Aparições de Jesus Misericordioso à Santa Faustina, e não foi por um “bispozinho” qualquer. Foi pelo próprio papa da época. Se não fosse a atuação do então Cardeal Karol Józef Wojtyła, futuro Papa João Paulo II, estas aparições estariam condenadas até os tempos atuais, e, certamente, você seria um grande opositor delas, não é? Infelizmente, como atualmente o número de Cardeais, e clérigos em geral, com este nível de espiritualidade é praticamente nulo... tadinha das aparições... snif. Praticamente nenhum deles entende de Teologia Mística, o estudo apropriado para se avaliar as aparições e estudá-las.

Além do mais, as aparições de La Salette, Lourdes e Fátima, para quem conhece mais a fundo sua história, verá que elas na verdade não foram aceitas pelo clero. Muito pelo contrário, este as combateu com todas as suas forças. Na realidade, o que ocorreu, é que os fiéis praticamente as fizeram descer goela abaixo na garganta do clero, de tal modo, que eles não tiveram outra opção a não ser aprová-las. E, mesmo nestas que foram aprovadas, o estrago que o clero fez é algo incomensurável. Não as divulgou como deveria; se o corpo incorrupto de Santa Bernadete estivesse no Santuário de Lourdes iria converter milhões de fiéis, no entanto está praticamente escondido no convento de Nevers; o corpo incorrupto de Santa Jacinta foi escondido dos fiéis; a esmagadora maioria dos vaticanistas da Itália é de acordo que, até hoje, o terceiro segredo de Fátima não foi revelado em sua integralidade; a consagração da Rússia não foi feita como Nossa Senhora pediu até os dias atuais, etc... E isso, só para citar os danos que me vem à mente neste momento.

No Santuário das Aparições de Jacareí, o Profeta Marcos está resgatando tudo aquilo que a Igreja e a sociedade tanto se esforçaram para extinguir, os escapulários, medalhas, mensagens, enfim, a salvação do mundo que Nossa Senhora nos revelou e ofereceu com tanto amor ao longo de suas aparições na história. Sem dúvida, lá está se cumprido a passagem da Escritura na qual se diz: “Por isso, todo escriba instruído nas coisas do Reino dos céus é comparado a um pai de família que tira de seu tesouro coisas novas e velhas...” Mt 13,52 É uma nova aparição que resgata todas, até as mais antigas. Portanto, se ainda quiserem seguir a doutrina da cabeça deste cara de que não precisamos de aparições, o problema é de vocês. Aliás, se formos pensar bem, porquê Deus, Nossa Senhora os anjos e os santos apareceriam, né? Afinal de contas, nosso mundo está uma verdadeira maravilha, não é? Não temos problemas de droga, prostituição, corrupção, degradação moral, depressão, decadência da Igreja, violência, roubos, assassinatos, guerras, miséria..., todos os sacerdotes são verdadeiros Serafins de santidade, enfim, o Vaticano está dando conta do recado... Só não está apresentando um desempenho melhor devido a um “pequeno” probleminha de tráfico de influência entre os altos clérigos, desvio de verbas do banco do Vaticano, looby gay entre os padres, pedofilia generalizada, um papa progressista e comunista..., mas, afinal de contas, são probleminhas fáceis de serem solucionados, né? É... Em um mundo maravilhoso e em ótimo funcionamento como esse, realmente não entendo o motivo de tantas aparições..."