Pesquisar no Blog

21 de out de 2012

SANTA MARCELINA

Dia 17 de julho é o seu dia


Santa Marcelina 
327-397

Educadora dos seus irmãos menores, Sátiro e Ambrósio, Marcelina formou-os nas Ciências e na Fé. O ideal de Santa Marcelina, formadora de homens justos e sábios, continua vivo no coração de cada nova Marcelina. A cada dia renova-se a profecia do Papa Libério, que afirmou no dia da Consagração de Marcelina, que muitas jovens iriam seguir seu exemplo.

Monsenhor Biraghi a escolheu como Padroeira e modelo para aqueles que haveriam de segui-la na “santa e árdua missão de educar”

Quem foi Santa Marcelina
Marcelina nasceu em Roma, em 327, na família dos Ambrosiis, sob o Império de Costantino Magno. Em uma época de profundas mutações culturais, a família de Marcelina era aberta à religião cristã.

O pai, Ambrósio, era prefeito romano e governou as Galias (França). Ao ser eleito governador das Gálias, em Treviri, para lá se transferiu com a mulher e dois filhos, Marcelina e Sátiro. Nos anos 340, nasceu o terceiro filho de Ambrósio.

Marcelina viveu dias tranqüilos em Treviri, mas aos 13 anos, com a morte precoce do pai, voltou para Roma com a família. Antes de fazer 20 anos, ela perdeu também a mãe e ficou com a responsabilidade da educação dos irmãos.

 Em Roma, Sátiro e Ambrósio estudaram com aos melhores mestres e dedicaram-se com sucesso aos estudos jurídicos.

Jovem, bonita, rica e nobre, Marcelina tinha muitos pretendentes, mas decidiu se consagrar a Deus, permanecendo virgem. Na Roma corrupta e pagã, era muito difícil compreender que uma jovem renunciasse a sua fortuna e a um ilustre casamento. O povo não estava acostumado com essas idéias, mas assim mesmo Marcelina confessou isso ao mundo. Para buscar coragem, ela visitava muitas vezes as catacumbas dos cristãos que morreram pela Fé e lá se sentia consolada e compreendida.


Apesar de tudo, a vida de Marcelina acontecia nos palácios dos Césares. Ela poderia tornar-se poderosa, imperatriz, conhecida no mundo e teria uma vida fácil, mas cada vez era mais forte a sua convicção de que deveria se dedicar a Deus. Para levar adiante esse projeto, ela retirou-se para uma vila tranqüila, em Cernusco, perto de Milão, e passou a viver em contato com a natureza.

Na noite de Natal de 353, aos 25 anos, Marcelina recebeu das mãos do Papa Libério o véu da consagração total. Sua decisão abalou os habitantes dos palácios e nem mesmo seus amigos conseguiram entender toda a dimensão do que estava acontecendo. 

Marcelina intensificou a oração e os estudos das Sagradas Escrituras e acolheu em sua casa muitas virgens que queriam orientação para se dedicar a Deus e ao auxílio dos pobres e doentes.

Ao mesmo tempo, ela não se descuidava da educação dos irmãos, que mais tarde assumiram cargos públicos. Em 372, Ambrósio foi eleito governador em Milão e Sátiro foi nomeado para uma prefeitura. 

Dois anos mais tarde, Ambrósio foi eleito bispo de Milão e levou Marcelina para auxiliá-lo.

A atuação de Ambrósio nos 23 anos de episcopado faz parte da história civil e religiosa de Milão. E Sátiro, que morreu em 379, sempre trabalhou a seu lado e também na administração dos bens da família.


Para os dois irmãos, Marcelina foi conselheira e mestra, desenvolvendo paralelamente sua vida comunitária com as companheiras virgens. Embora no silêncio de sua vida recolhida, ela desenvolveu um apostolado eclesial, participando das ansiedades e solicitações do Bispo Ambrósio. Ele teve grande estima por ela e propôs o seu exemplo a muitas jovens que eram também chamadas por Deus a uma dedicação total.

Devoção do Povo

Marcelina trabalhou ao lado do irmão Ambrósio até o final da vida dele, que morreu em abril de 397. Ela morreu poucos meses depois, em 17 de julho de 397 e foi sepultada em Milão, na Basílica Santambrosiana.


O povo dedicou-lhe intensa devoção. Na mesma vila onde Marcelina morreu, em 1838, foi fundada a Congregação das Irmãs Marcelinas, pelo Monsenhor Luís Biraghi.
Seguindo o seu exemplo, a Congregação nasceu com a meta de orientar, formar, educar os jovens e todos os que lhe fossem confiados no caminho do amor, ensinando-lhes a palavra de Jesus. E assim realizaram-se as palavras do Papa Libério: “Muitas jovens te seguirão ...”


Os relatos sobre Santa Marcelina resaltam uma imagem de santidade e de educadora, qua ainda jovem sofreu a perda dos pais e assumiu total responsabilidade sobre seus dois irmãos Sátiro e Ambrósio, educando-os com grande esmero.

Aos vinte anos, decidiu consagrar-se definitivamente aos serviços da Igreja, decisão esta que causou muitas reprovações perante a sociedade romana, em uma Roma corrupta e pagã que não estava acostumada com essas idéias de pureza.

Não tendo dúvidas sobre sua vocação, Marcelina decidiu seguir seu caminho que era dedicar-se a Deus e renunciar a tudo. Assim se expressou: "Quando alguém sente a presença de Deus em sua vida, não consegue mais se deixar atrair por outras riquezas".

Em sua vida Marcelina dedicou-se a formação de jovens que como ela seguiram a vida cristã, e também aos ensinamentos educacionais.